Google+ Followers

Google+ Followers

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Absurdo desperdício de comida

Cerca de 800 millhões de pessoas no mundo passam fome. O principal problema não é a falta de comida, mas, a distribuição. Enquanto países ”ricos” disperdiçam o alimento, nos países “pobres” as pessoas não tem como comprá-los.

Perdem-se cerca de 1/3 da produção de alimentos ao longo da cadeia produtiva, ou seja, desde o cultivo, transporte, armazenamento e comercialização, até o consumo final.


 Em função disso, a FAO (Organização para Agricultura e Alimento da ONU – Organização das Nações Unidas) e outros Entes, estão lançando um projeto que visa colher informações de instituiçoes e Governos, a nível mundial, no sentido de mapear o problema e propor soluções para segurança alimentar e combate ao desperdício.
É uma plataforma online – Comunidade Global sobre Práticas para Redução do Desperdício de Alimentos (FIDA) disponível em:


Claro que governos e instituições tem que desenvolver políticas públicas e privadas visando melhorar a vida das pessoas, mas, cada um de nós também pode adotar medidas para evitar o desperdício de alimentos e água.

Seja um consumidor consciente e compre o que é realmente saudável e necessário para sua saúde evitando jogar comida e águar fora. Dessa forma, estaremos indiretamente contribuindo com projetos dessa natureza, iniciativa totalmente sustentável e responsável.

Consumindo Orgânicos


Fonte: Planeta Orgânico/FAO

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Alimentação Escolar Saudável





Existem hoje no Brasil uma série de normas estaduais e municipais visando por em prática o Programa  Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). Boa parte delas estão voltadas à necessidade de se adotar uma alimentação saudável na merenda escolar através da aquisição de produtos orgânicos e agroecológicos, da agricultura familiar.

 

 
Recente iniciativa do Planeta Orgânico e SEBRAE levou ao lançamento de um portal voltado a esse importante tema, principalmente se precebermos que estamos falando da alimentação de nossos "pequenos".

Seguem abaixo, parte da apresentação do projeto, disponível em:


 

"A alimentação nas escolas vem se tornando um dos principais temas na sociedade brasileira. O aumento da obesidade e a comprovação que hábitos alimentares durante a infância impactam a saúde de uma pessoa por toda sua vida, levou a mudanças nas políticas públicas e na cadeia de fornecimento de alimentos para merendas e cantinas. Desta forma, a escola é um ambiente essencial para que produtos de qualidade e com critérios sustentáveis sejam incluídos nas refeições. Existem ações em andamento no Brasil de diversas formas, desde hortas comunitárias até programas de impacto nacional. Entretanto, é necessário que tenham maior visibilidade, tornando-as conhecidas através da comunicação de massa e dos recursos digitais atualmente existentes. Isto permitirá que sejam replicadas e aprimoradas."
 

Consulte o site do projeto e se informe a respeito, afinal esta iniciativa é muito importante para o desenvolvimento saudável de nossas crianças, ao mesmo tempo em que fortalece a produção e comercialização de alimentos sustentáveis.

 
CONSUMINDO ORGÂNICOS
Sergio Carrano

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

A origem dos Alimentos


No Brasil, não é obrigatório informar o caminho percorrido pelos alimentos, desde a origem até o supermercado, o que se chama de rastreabilidade.


As normas de rotulagem de produtos embalados determinam que deve haver informação sobre o produtor na embalagem para que o consumidor possa saber quem produziu o alimento, mas, no caso de produtos a granel, frutas, legumes e verduras isso é quase impossível de se identificar quando esses produtos são vendidos nas gondolas, “in natura”.


Segundo pesquisa do IDEC (Instituto de Defesa do Consumidor), redes como Carrefour, Pão de Açucar, Extra e Walmart declararam que possuem um site onde é possível consultar a origem dos produtos que são comprados e comercializados pelas redes.

No entanto, apenas 28,7% dos legumes, frutas e verduras convencionais são dotados de rastreabilidade, enquanto 56,5% dos produtos orgânicos atendem aos requisitos da rastreabilidade.

Isso não é surpresa para nós. A legislação dos produtos orgânicos, além de exigir a certificação, prevê a rastreabilidade dos alimentos in natura, bem como dos produtos processados, a fim de garantir a qualidade orgânica, isenta de agrotóxicos e contaminantes químicos.

Defendemos a idéia de que produtos que não são embalados devem ser expostos juntamente com a informação sobre o produtor , o produto e sua origem a fim de tornar o acesso e o direito de escolha mais simples para o consumidor.

Em resumo, você pode estar comprando uma maça para o seu filho e nem sequer sabe onde ela foi produzida, quando foi produzida, hà quanto tempo esse produto está o estoque e outras informações que são seu direito.

Fique atento. Procure adquirir produtos orgânicos e sustentáveis porque a rastreabilidade faz parte desse processo de produção, cujo objetivo é garantir a você que está comprando o alimento, saúde e total transparência.



Consumindo Orgânicos


quinta-feira, 16 de outubro de 2014

Transgênicos e Justiça


Produtos alimentícios contendo ingredientes transgênicos devem ser identificados na embalagem para que o consumidor possa escolher sobre sua compra. De acordo como a legislação, a letra "T" (transgênico) dentro de um triângulo amarelo deve constar na rotulagem desses alimentos. 


Mais de 90% da soja e 80% do milho produzidos no Brasil são de origem transgênica, e, por isso, boa parte dos biscoitos, bolachas, margarinas, enlatados, óleos e papinhas de nenê podem possuir esses ingredientes.

A questão da informação está gerando uma grande disputa na política do Brasil tendo em vista que alguns projetos de lei pretendem tornar desnecessária essa informação e outros lutam para que o consumidor tenha direito a essa informação.

Ações judiciais começam a surgir obrigando as empresas alimentícias que utilizam ingredientes transgênicos a rotularem os alimentos com essa informação.


Em recente decisão judicial, a Bimbo, responsável pelas marcas Pullman, Ana Maria e Nurella terá que informar o uso de transgênicos nesses alimentos conforme processo movido pelo Ministério Público de São Paulo.


Trata-se de uma decisão muito importante para o consumidor, tendo em vista a crescente conscientização das famílias brasileiras no sentido de comprar produtos alimentícios saudáveis, isentos de ingredientes químicos e organismos genéticamente modificados.

Um dos maiores problemas ligados aos transgênicos, é que em seu cultivo, aplica-se muito mais agrotóxico do que no cultivo convencional. Talvez por isso, o Brasil seja hoje um dos maiores utilizadores de defensivos agrícolas e agrotóxicos do mundo.

Lembremos que a produção agrícola de larga escala é tecnológica e mecanizada. O trabalho é desempenhado por máquinas e os insumos químicos são aplicados em alta dose. Nesse ramo, a agricultura é um agronegócio.

A lógica da agricultura familiar e dos orgânicos é exatamente o contrário. Na produção em pequenos empreendimentos familiares se utiliza a mão de obra local e não se utilizam agrotóxicos, gerando-se alimentos realmente saudáveis.

Analise os rótulos dos alimentos (isso é direito seu) e faça opção por produtos saudáveis, afinal, a alimentação não pode ser um "negócio" seja um consumidor consciente.

Consumindo Orgânicos

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Gordura Trans ou Gordura Animal ?



A gordura trans é um produto criado em laboratório, a partir de um óleo vegetal submetido a um processo de hidrogenação. Com isso, se transforma em uma gordura sólida, muito utilizada nos produtos processados como biscoitos, bolachas recheadas, sorvetes e confeitaria em geral.

Essa gordura faz você sentir aquele crocante "crack" no alimento, acreditando que ele está fresquinho.  Mas, essa impressão de que o produto está crocante é uma verdadeira farsa. Experimenta fazer um biscoito caseiro sem gordura trans e deixar ele em um recipiente por dois dias. Você vai perceber que ele fica mole.


Pois é, a gordura trans faz milagre! Milagre de manter o alimento dentro de um pacote de plastico na prateleira do supermercado por longos meses.

Segundo pesquisas, essa gordura é tão perigosa para a saúde que a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) não recomenda seu consumo. Vários estudos indicam sua relação com infartos, diabetes, aumento o mau colesterol e diminuição do bom colesterol.

O pior de tudo é que segundo a legislação, fabricantes podem omitir nas informações nutricionais até 0,2g dessa gordura na rotulagem - tabela nutricional. Mas, se você analisar os ingredientes, provavelmente vai encontrar a informação sobre a presence da gordura trans, em letrinhas bem pequenas.

Cuidado com o "zero trans" colocado na embalagem! Leia o rótulo com atenção.

Mas nem tudo está perdido. Via de regra, produtos industrializados de origem natural e orgânicos tem prazo de validade inferior aos convencionais porque não se utiliza gordura trans e ingredientes químicos danósos à saúde. Nestes alimentos, o "crack" é um processo natural.

Consumindo Orgânicos

Fonte: IDEC

terça-feira, 30 de setembro de 2014

A dieta americana


Esses dias acompanhamos a entrevista de Michael Pollan (michaelpollan.com), jornalista americano que escreve sobre alimentação e ficamos intrigados com suas ponderações.
 
Michael avalia a questão alimentar do fast food americano e prevê um cenário insustentável para esse modelo de alimentação. De início, ele considera que o capitalismo USA levou as pessoas a quererem alimentos prontos e de fácil preparo, dado o estilo de vida "time is money". Hoje, as empresas de comida são corporações mundiais, ou seja, a comida é um negócio.
 
No entanto, ele pondera que o sistema de saúde americano não dá conta do elevado número de problemas de saúde da população com infartos, diabetes e obesidade, agravados pela má qualidade da comida pronta, cheia de ingredientes químicos, sal, açúcar e gorduras trans.
 
A bem da verdade, a saúde pública e a sustentabilidade ambiental deveriam ser fatores que deveriam estar alinhados com a produção de comida. No entanto, temos de um lado empresas ganhando milhões de dólares com alimentação precária, e, de outro lado, o governo gastando milhões de dólares para suportar os problemas de saúde gerados por essa má alimentação.
 
Ele ressaltou que não é contra os transgênicos, mas, a promessa de gerar alimentos com mais lucro já faliu nos Estados Unidos. Para produzir com organismos geneticamente modificados é necessário utilizar muito mais quantidades de agrotóxicos, e, entre outros fatores, a margem dos produtores vem diminuindo em relação aos produtos convencionais.
 
Ficamos intrigados com a clareza com que Michael fala sobre o jogo do poder nesse setor americano e sobre o fato de ser a mesma indústria que produz o agrotóxico, o ingrediente químico e o OGM, ser a mesma indústria que produz o remédio para combater os males da má alimentação.
 
Ele sustenta que apenas com o sol, a terra e a água, temos condições de produzir alimentos saudáveis, em equilíbrio com a natureza. Sustenta que a questão alimentar saudável reside no fato de se comer aquilo que se deseja, de forma equilibrada, salvo os casos de necessidades especiais.
 
Vale a pena conferir.
 
*Entrevista concedida a Silio Boccanera no programa Milênio da Globonews.
 
Consumindo Orgânicos
 

sexta-feira, 12 de setembro de 2014

Alergia Alimentar



A alergia alimentar é um processo onde o sistema imunológico humano reage a determinado alimento, como por exemplo, o consumo de leite e derivados, ovo e derivados, peixes e crustáceos, sojas e oleaginosas, entre outras substâncias.
 
O problema afeta mais as crianças, 8% com menos de 3 anos de idade e 3% da população adulta segundo pesquisa da PROTESTE. As reações vão de coceira, urticária, diarreia, problemas respiratórios e anafiláticos.
 
Se você se alimenta com produtos naturais e orgânicos feitos em casa, o problema é mais fácil de controlar, mas, se você utiliza produtos industrializados, o problema pode ser grande.
 
A falta de regulamentação oficial para que as empresas divulguem essas informações nos rótulos dos alimentos, deixa o consumidor em dúvida se o produto contém a substância nociva porque cada empresa dá uma denominação diferente dos ingredientes.
 
Essa falta de informação precisa leva as pessoas alérgicas a consultar os SAC dos fornecedores, parceiros de associações, hospitais, campanhas, enfim, buscar informação segura se o produto é ou não confiável para o caso.
 
Por isso, a campanha "Põe no rótulo" objetiva socializar o problema e pressionar entidades públicas, políticas e corporações que produzem alimentos industrializados a especificar claramente no rótulo a presença dos alergenos.
 
Consulte o site da campanha (abaixo). Divulgue o problema e faça parte dessa ação social.
 
Mas, uma coisa é certa: se você se alimenta com produtos naturais e orgânicos in natura, evitando os industrializados, fica muito mais fácil controlar o problema da alergia alimentar porque você mesmo faz sua dieta e não depende da interpretação de rotulagem.
 
Fica a dica:
 
 
Consumindo Orgânicos
 

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Orgânicos, nutrição 25% melhor, preço 20% maior

 
No últimos 3 anos, realizamos pesquisas junto a consumidores de produtos orgânicos na Feira Anual Biobrazil/BioFach América Latina, em São Paulo, e, a principal conclusão de nosso estudo foi a de que as pessoas preferem consumir alimentos orgânicos porque são cultivados com isenção de fertilizantes químicos e agrotóxicos.

 

Alimentação saudável e preservação do meio ambiente são pontos vitais para aqueles que querem ter saúde agora e preservar a vida de seus filhos e para as gerações futuras.



Outras pesquisas vem sendo realizadas mundo a fora e recentes informações da Associação de Consumidores Orgânicos dos Estados Unidos revelam que esses alimentos apresentam mais alto nível de betacaroteno, vitaminas C, D e E, antioxidantes e minerais essenciais para nossa saúde.

No que se refere à nutrição, apresentam cerca de 25% a mais de vitaminas e minerais, se comparados como os alimentos da fabricação convencional. Os preços por lá custam cerca de 20% por cento a mais do que os convencionais.
 
Quanto à qualidade orgânica e os aspectos de nutrição, por aqui a coisa não é diferente, mas, no que se refere ao preço, precisamos melhorar, sobretudo nos produtos disponíveis nos supermercados. Em feiras-livres e na compra de cestas diretamente do produtor é possível pagar preços melhores.
 
 De qualquer forma, vale a penas ter mais saúde, pagando um pouco mais! 

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

carne sustentável


Essa semana tivemos a satisfação de saborear uma refeição com carne assada de coxão mole oriundo do processo sustentável de criação de gado. O produto é da Korin.
 
 
O processo de criação de gado sustentável leva em consideração o bem estar animal, não se usa alopatia, a alimentação é feita com ração isenta de hormônios, ingredientes químicos e organismos geneticamente modificados, assim como, o pasto onde os animais habitam é livre do uso de agrotóxicos.
 
 
A forma sustentável de produção, prioriza o desenvolvimento local com sustentabilidade social, econômica e ambiental e tudo indica que em breve teremos no mercado de consumo a carne orgânica.
 
O ideal de se produzir carne sustentável e orgânica vem se fortalecendo através de parcerias com a Associação Brasileira de Pecuária Orgânica, assim como o assunto faz parte do plano estratégico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 2010/2015.
 
A marca Korin que já é conhecida pela produção e comercialização de frutas, legumes, verduras e frango orgânicos, agora entra em uma nova fase, visando a concretização da comercialização da carne 100% orgânica para breve.
 
Consumindo Orgânicos
 

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Hidropônico não é Orgânico


Muitas pessoas confundem alimento hidropônico com natural ou orgânico, mas, são produtos completamente diferentes.

O produto hidropônico, como por exemplo, a alface, é cultivada em estufa, isolada do meio ambiente natural, em água com soluções químicas para nutrição e combate a doenças.


O produto orgânico é cultivado no solo, junto ao meio ambiente natural, utilizando-se água para irrigação e ingredientes naturais para nutrição e combate a pragas.


Acontece que a julgar pela aparência, as pessoas confundem os dois produtos, imaginando que o hidropônico é tão saudável quanto o natural ou orgânico.

Isso é um perigo!

Como vimos acima, o hidropônico é um produto cultivado de forma antinatural com apoio de ingredientes químicos, principalmente os agrotóxicos. Já os orgânicos são cultivados no meio ambiente natural (solo, sol e água), e, quando necessário, se utilizam insumos totalmente naturais.

O processo de produção hidropônico é convencional e não está obrigado a fiscalização oficial, mas, o orgânico é certificado por entidade oficial. O controle da produção visa dar ao consumidor a garantia de que o produto é de fato orgânico, ou seja, saudável.

Assim, muito cuidado ao escolher entre o hidropônico e o orgânico, produtos completamente diferentes. A sua saúde agradece!

Consumindo Orgânicos

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Produto Orgânico da Agricultura Natural


Já falamos sobre o que é um produto natural. Agora vamos falar sobre o produto natural orgânico, originário da agricultura natural.

A agricultura natural, é um modelo de cultivo e produção de alimentos que tem como base o respeito à vida do solo e sua capacidade de regeneração natural conforme as regras da natureza.

É um modelo que faz parte do sistema orgânico de produção adotado no Brasil.
 

Além de não se utilizar agrotóxicos e organismos geneticamente modificados no cultivo, não se utilizam insumos que não sejam realmente naturais. Nem mesmo o esterco de boi ou de frango comumente utilizado em alguns modelos da agricultura ecológica, nesse sistema não são utilizados.

Para o combate a pragas e doenças, se utilizam técnicas próprias e produtos fitossanitários desenvolvidos de forma natural. Assim, a planta se desenvolve de forma saudável gerando alimentos com  alto poder de energia vital.

Essa energia vital é que faz bem ao nosso organismo.

Produtos dessa origem informam no rótulo que são oficialmente certificados e podem usar o termo "da Agricultura Natural" para que os consumidores fiéis a esse tipo de cultivo possam identificá-los no mercado de consumo.
Consumindo Orgânicos

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Boa Escolha Ambiental


Boas iniciativas a favor do meio ambiente tem sido criadas por todo o mundo.

Um exemplo é o selo "Boa Escolha Ambiental" criado pela Sociedade Sueca para Conservação do Meio Ambiente.

Este selo é conferido a lojas que adotam práticas favoráveis à conservação do meio ambiente, mediante critérios pré-estabelecidos tais com:


- Oferecer grande variedade de produtos orgânicos;
- Oferecer grande variedade de produtos químicos com rótulos ecológicos;
- Optar por não oferecer produtos ofensivos ao meio ambiente;
- A loja desenvolver algum trabalho ambiental, ela própria.

Mesmo produtos químicos são considerados, desde que sejam produtos previamente avaliados, que ofereçam quase nenhum impacto ambiental, como uma espécie de transição para o ecológico enquanto não se tem esses produtos totalmente ecológicos.

Essa e outras iniciativas da Sociedade Sueca, visam promover o desenvolvimento sustentável, resultando inclusive na concessão de prêmios anuais

Esse ano, como parte da Semana da Ação Verde, quatorze membros da sociedade receberam prêmios por desenvolverem práticas voltadas para "alimentos mais seguros e sustentáveis para todos".

Consumindo Orgânicos


quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Produto Natural Legítimo

 
Alimento natural é aquele obtido diretamente da natureza como, por exemplo, as frutas, os legumes e as verduras. São alimentos gerados pela própria natureza sem qualquer interferência do homem em suas qualidades naturais.
 
 

Já, o produto natural, é o alimento natural que foi processado pela indústria (ex.: colhido, lavado, amassado, cozido e embalado). Caso se utilize conservantes ou corantes no preparo e armazenamento desses produtos, eles também devem ser ingredientes naturais para não modificarem as qualidades naturais do produto final.
 
A banana passa (que é apenas cozida no forno durante um determinado tempo) e o doce feito com frutas (que é apenas amassado e embalado), podem ser exemplos de produtos naturais porque não se utilizam ingredientes químicos no preparo e conservação.
 
Acontece que atualmente, encontramos no mercado de produtos naturais, diversos alimentos com apelos promocionais tais como: " produto natural"; "da natureza"; "saudável" e daí por diante.
 
Mas, é preciso observar no rótulo da embalagem se não é utilizado nenhum ingrediente que não seja realmente natural  em sua composição ou método de conservação.
 
Atenção: Fique atento. Se algum ingrediente utilizado no preparo e conservação de alimentos se tratar de produto químico, como se pode dizer que esse  alimento é um produto realmente natural ou saudável?
 
 
Resumindo: alimento natural é somente aquele que vem da natureza e não sofre modificação pelo homem em suas propriedades naturais. Produto natural, é somente aquele que é processado com ingredientes naturais, não sofrendo modificação em suas propriedades naturais no produto final
 
Este é o natural legítimo!
 
Consumindo Orgânicos
 

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Consumo de Orgânicos EUA

O mercado de comida orgânica nos Estados Unidos é de 35 bilhões de dólares ao ano, representando apenas  4% do volume de comida consumido naquele país.
 
 
Recente pesquisa divulgada pelo Instituo Gallup de lá, informa que 45% dos americanos desejam se tornar consumidores de produtos orgânicos, mesmo aqueles que tem renda mais baixa.
 
Pessoas que moram nas cidades, grandes ou pequenas, mais ao oeste do país, demonstraram maior interesse pelos orgânicos. Em sua maioria, tem idade entre 18 e 29, seguindo-se pelas pessoas entre 30 e 49 anos.
 
Alguns analistas chegaram a conclusão que a pesquisa revela dois aspectos importantes:
 
1- As pessoas desejam, mas, ainda não conseguem ter acesso aos orgânicos;
2- As políticas públicas não enxergam os orgânicos como vontade da população.
 
Notamos a essa situação é parecida com a que vivemos no Brasil, ou seja, precisamos ter políticas públicas e privadas que permitam mais acesso ao consumo de orgânicos.
 
 
Vale então a dica: no Rio de Janeiro existe o circuito carioca de feiras orgânicas com mais de 13 feiras livres onde se pode adquirir esses produtos com preços  mais acessíveis.

Consumindo Orgânicos


sábado, 16 de agosto de 2014

Bem Estar Animal


Carne de boi, frango e peixe são alimentos que fazem parte da dieta da maioria das pessoas no seu dia a dia, além de derivados preparados pela indústria como hamburguer, nugget e outros produtos.
 
Acontece que a produção de carne atual (manejo, alimentação, cuidados veterinários e abate), nem sempre adota técnicas que evitam o sofrimento dos animais. Muitos filmes e vídeos correm o mundo, mostrando essa realidade. Mas, nem tudo está perdido!

O selo Certified Humane, criado pela organização não governamental norte-americana Humane Farm Animal Care (HFAC), tem o objetivo de certificar a produção de carne de gado, aves, ovos e peixes, garantindo um tratamento mais condigno aos animais em produção, evitando os maus-tratos.

Nos Estados Unidos, são mais de 87 milhões de animais certificados pelo país nos últimos 10 anos e muitos lojistas só aceitam vender esse tipo de carne certificada.

 
No Brasil, a empresa Korin Agropecuária, conhecida produtora de carne de frango e ovos orgânicos é certificada pela HFAN.

Consumindo Orgânicos

Fonte: Planeta Orgânico

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Sustentabilidade

Ser sustentável significa dizer que algo tem que satisfazer as necessidades do momento, sem comprometer as necessidades do futuro.

Precisamos preservar a vida e o meio ambiente, pois dele vem a água, a energia, os alimentos, o vestuário e muitos outros bens que utilizamos no dia a dia.

Se tudo for utilizado de forma sustentável, não haverá falta para as próximas gerações. Isto se aplica a qualquer coisa.


Sustentabilidade é meio ambiente e nós vivemos no ambiente chamado Planeta Terra. 
 


Tudo que acontece ao seu redor afeta a você de alguma forma, por isso, se torne sustentável você também. Equilibrar as contas do mês, as relações pessoais e a saúde é ter qualidade de vida. Veja essas dicas:
Consumidor consciente
Pesquise preços, compre o necessário e guarde algum dinheiro sempre.
Crescimento Pessoal:
Se relacione com pessoas e coisas que lhe tragam crescimento pessoal;
Trabalhe duro, mas, abuse do lazer e das boas amizades.
Alimentação Saudável:
Alimente-se com produtos saudáveis e cuide do seu corpo. Mexa-se!


Se conseguirmos seguir nessa direção, teremos qualidade de vida e estaremos satisfazendo nossas necessidades nos dias de hoje, sem comprometer a vida no futuro.


Pense nisso!


Consumindo Orgânicos

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Alimentação Saudável


Vivemos uma era mecanizada na produção de alimentos e o homem come cada vez mais carnes, laticínios e produtos industrializados, diminuindo o consumo de produtos naturais como frutas, legumes e verduras.

Com a pressa do dia a dia, é comum o consumo de congelados, embutidos e produtos que se faz no micro-ondas e outros recursos rápidos.

Essa dieta contemporânea aliada ao sedentarismo pode levar a problemas de saúde como o sobrepeso, o diabetes e doenças ligadas ao coração, prejudicando a qualidade de vida.

Prefira um estilo de vida saudável, com mais qualidade de vida, optando por fazer exercícios físicos e consumir produtos naturais e orgânicos.



Produtos naturais e orgânicos são aqueles que são cultivados e processados (frutas, legumes, verduras e carnes) sem a utilização de ingredientes nocivos introduzidos pelo homem, como agrotóxicos, corantes e conservantes químicos.

Hoje, no Rio de Janeiro, existem mais de 13 feiras de produtos orgânicos em vários pontos da cidade, permitindo melhor acesso ao consumo desses alimentos.

O que você está esperando?

Consumindo Orgânicos


quarta-feira, 9 de julho de 2014

Açucar Adicionado


O brasileiro vem ingerindo cerca de três vezes mais açucar do que o recomendado.
 
 
Segundo a Organização Mundial da Saúde, o consumo não deveria ultrapassar 10% das calorias diárias para uma boa saúde ( 2.000 Kcal), mas, isso pode estar sem controle.
 
O açucar colocado no cafezinho ou no bolo caseiro não é o problema, mas, o acúcar adicionado pela indústria nos produtos processados é que pode ser o problema.
 
 
Fabricantes vem adicionando acúcar em seus produtos visando melhorar a consistência, conservação e sabor. Para se ter uma idéia, até o pão e o molho de tomate de hoje em dia sofrem adição de açucar.

Acontece que a informação nutricional normalmente não informa isso de forma discriminada e assim, o consumidor não consegue perceber que está consumindo açucar.

Com isso, o Brasil se destaca como o segundo maior consumidor per capita de açucar do mundo e os problemas de diabetes, coronários e obesidade continuam disparando nas estatísticas.

Achocolatados, bombons e biscoitos são os campeões na adição de açucar.

O ponto vital é o seguinte: Leia o rótulo dos alimentos e busque informações na Internet  para saber se os ítens de sua dieta são bons ou ruins para sua saúde; participe de ações favoráveis à produção de alimentos saudáveis; fale, divulgue e reclame quando encontrar fabricantes que não respeitam a sua saúde.

A opinião do consumidor merece ser ouvida.

Consumindo Orgânicos

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Produtos Orgânicos em destaque


Participamos da Feira BioBrazil/Biofach-NaturalTech 2014 na Bienal do Ibirapuera em São Paulo.

O evento é voltado aos produtos naturais e orgânicos. São mais de duzentos expositores e 20 mil visitantes.

Estivemos no stand do Projeto Centro de Inteligência em Orgânicos da SNA e fizemos muitos contatos.


Foi bom ver que as pessoas estão bem interessadas em buscar alimentos saudáveis.

O que também chamou a atenção foi a procura por novos negócios com produtos naturais e orgânicos. Pessoas querendo ser produtores, comerciantes, donos de restaurantes e daí pra frente.

Por isso, foi lançado um novo capítulo no eBook Produto Orgânico, dando dicas sobre como montar seu negócio com orgânicos.

Em breve, lançaremos uma degustação do capítulo.

Consumindo Orgânicos